Universidade deve andar lado a lado da educação básica

Compartilhar

  • Facebook
  • Whatsapp
  • Twitter
  • E-mail
  • Imprimir

Universidade deve andar lado a lado da educação básica

8 de novembro de 2018 | Por: Lucas Daniel

Na segunda tarde do II Congresso UFPE em debate, a mesa-redonda Universidade e Educação Básica discutiu os rumos da universidade, os desafios, as dinâmicas e as articulações de enfrentamentos para com a educação básica e demais instâncias da construção de conhecimento. Com a participação de uma das mais experientes vozes no que diz respeito à educação em Pernambuco, professora emérita da UFPE Silke Weber, o debate se direcionou para os vários assuntos e demandas que a educação compartilha, como as conexões entre educação e ensino a distância (EAD), política, neoliberalismo e a precarização.

Além de Silke Weber, professora da Pós-Graduação em Sociologia da UFPE e ex-secretária de Educação, também participou da mesa a professora Márcia Ângela, Membro do Conselho Nacional de Educação. Coordenada pela professora e diretora da ADUFEPE Zélia Porto a mesa traçou um histórico sobre o sistema educacional brasileiro, que é segmentado em educação básica e ensino superior, e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB – 9.394/96).

O debate focou a função da universidade como meio de avançar o conhecimento. Afinal, as várias atuações da universidade (ensino, pesquisa e extensão) possuem significativas interlocuções com o ensino de educação básica. Por isso, a interação entre a universidade e a escola básica é fundamental tanto à organização quanto à qualificação do sistema educacional.

Em um primeiro momento, Silke Weber relatou a importância da função da universidade para a capilarização da mudança na educação e na formação de professores. “No tocante à educação básica, nas últimas décadas, e com base em seus resultados, a universidade deve estabelecer prioridades de atuação com escolas e professores das diferentes áreas, e também com as secretarias de Educação dos Estados e municípios de Pernambuco”, disse Silke Weber.

No início de seu discurso, a educadora ressaltou o papel da universidade em um tripé: a universidade produz conhecimento, produz profissionais e enriquece a cultura. “A UFPE deve continuar disponível para acompanhar a ação escolar em suas diferentes dimensões, com destaque para as questões relativas à formulação e execução de políticas educacionais e de projetos político-pedagógicos e à gestão escolar. Podemos destacar ainda a participação do debate nacional sobre os temas centrais da educação básica, considerando que aspectos escolares e extraescolares atuam de forma concomitante”, esclarece Silke Weber.

A representante do Conselho Nacional de Educação, Márcia Ângela, por sua vez, teceu comentários direcionados às suas aproximações com Conselho Nacional de Educação e aos temas relacionados com o binômio política/educação. “Devemos observar o que o MEC está fazendo e acompanhar a política também no que se refere à educação. Temos de relembrar a educação como o direito. Além disso, precisamos lutar contra essa PEC dos gastos”, ressaltou Márcia Ângela ao comentar sobre as atualidades do contexto político e suas interferências no campo da educação, a exemplo da alteração do Fórum Nacional de Educação feita pela administração Temer.

DEBATE

As discussões da tarde do segundo dia de debates (7), no auditório da ADUFEPE, evidenciam a relação entre escola e a universidade como participantes do mesmo processo de aprendizagem, onde uma colabora com a outra na renovação dos saberes. O processo de pesquisa aliado do ensino de nível básico, assim como a extensão universitária e demais ações acadêmicas no tecido social. “O avanço na educação está ligado à atenção das demandas da sociedade e das demandas do conhecimento”, reitera Weber.

Mesmo situando-se em níveis diferentes, universidade e ensino básico integram um mesmo sistema nacional de educação e sofrem as influências das políticas de organização e manutenção. A noção do processo dialógico, estrutural e colaborativo foi um dos eixos/temas centrais dessa mesa-redonda e uma de suas muitas contribuições ao debate proporcionado pelo II Congresso UFPE.