Seminário “Dimensões da Reforma Trabalhista” lota auditório da ADUFEPE

Redução de salários, intensificação do trabalho, desemprego, ataque às instituições representativas, fragilização dos sindicatos e crescimento da desigualdade são algumas consequências da Reforma Trabalhista aprovada em 2017, abordadas na tarde desta terça-feira (11) no seminário “Dimensões da Reforma Trabalhista”. O evento lotou o auditório da entidade com um tema que reflete não apenas as relações trabalhistas do Brasil, mas, a própria atuação sindical, ao abordar os efeitos da Lei nº 13.467/2017.

O professor José Dari, da Unicamp, apresentou diversas dimensões da reforma chamando a atenção para as mudanças proporcionadas por ela nas relações de trabalho. Para ele, essa reforma representa um “processo de desconstrução dos direitos e da proteção social”. Dari integra o Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (CESIT) e mostrou com dados atuais como a reforma afeta a vida das pessoas. “Embora justificada como essencial para a competitividade e empregabilidade, na nossa avaliação, a reforma não vai resolver, e sim, impedir o desenvolvimento econômico”, conclui o professor.

Ele trouxe ao debate avaliações da reforma sobre aspectos: econômico,  mercadológico, representativo, sobre contratação, jornada, remuneração, representação dos trabalhadores, proteção social, saúde e segurança do trabalho. Sobre todos esses ângulos é perceptível que a reforma trabalhista tem efeitos negativos para o trabalhador, legitimando perdas significativas.

É o que mostrou também o professor Roberto Veras da UFPB. Ele trouxe um levantamento histórico com as principais  conquistas do trabalhador brasileiro desde a Era Vargas, passando pela Constituição de 1988, os retrocessos de FHC até a reforma aprovada ano passado. Veras atua na Rede de Estudos e Monitoramento da Reforma Trabalhista (REMIR-Trabalho). Para ele, a chamada reforma, na verdade significa “tomar as conquistas da constituição de 1988 para restrição e eliminação de direitos”. 

Assista o evento na íntegra na AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *