Docentes e alunos da UFPE levam atividades de educação e saúde para praça pública

No dia da Greve Nacional da Educação, esta quarta-feira (15), docentes e alunos da UFPE ocuparam a Praça Dr. Arnaldo Assunção (Praça do Engenho do Meio) durante o ato Universidade nas Ruas com atividades de educação, promoção e prevenção à saúde. Coordenada pelos departamentos de Fonoaudiologia, Fisioterapia, Terapia Ocupacional e Psicologia da UFPE, com o apoio da ADUFEPE e do Observatório do Conhecimento, a ação levou para o espaço aulas públicas e realizou mais de 100 atendimentos gratuitos na área de saúde.

Segundo a diretora do Centro de Fisioterapia da UFPE, Etiene Oliveira, o ato teve como objetivo principal a sensibilização da sociedade civil a cerca do papel desempenhado pela universidade para o desenvolvimento do País. “Esta ação tem como função mostrar para a população o que é realizado dentro do espaço da UFPE. São diversos tipos de atendimentos realizados diariamente, além de pesquisas e projetos de extensão que atendem direta ou indiretamente a vida de muita gente”, destacou Etiene, uma das idealizadoras do evento, lembrando que somente na clínica escola de Fisioterapia são realizados cerca de 350 atendimentos por mês.

Durante toda a manhã, os docentes e alunos atenderam a população com serviços como aferição de pressão arterial e medição de glicose, além de atividades de educação voltadas para a primeira infância, o combate à chikungunya e sobre as Práticas Integrativas e Complementares (PICs) – tratamentos que utilizam recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais voltados para a prevenção de diversas doenças como a depressão e hipertensão.

Durante a ocasião, o diretor da ADUFEPE Audisio Costa lembrou que estas iniciativas estão ameaçadas com os cortes de 30% anunciados pelo Ministério da Educação para os orçamentos das universidades públicas: “Com a possibilidade dos cortes, a estimativa é que as universidades parem em setembro por falta de verbas para manter as atividades. As universidades são as principais responsáveis pela produção científica nacional, e sem a ciência não há desenvolvimento nacional”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *