Assembleia Unificada contra a Reforma da Previdência

Nesta quarta, dia 15 de março, às 9h, na Praça Oswaldo Cruz, será realizada uma assembleia unificada com todos os setores da educação de Pernambuco. A ADUFEPE convoca os docentes da UFPE para participarem desta importante reunião. Neste momento é fundamental a mobilização dos trabalhadores e dos movimentos sociais e populares contra a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 287/2016, que muda as regras da aposentadoria no país.

Apresentada ao Congresso Nacional pelo Governo Temer, a medida estabelece idade mínima de 65 anos para homens e mulheres poderem se aposentar e ainda exige contribuição de 49 anos para que o trabalhador possa receber o valor integral do salário. Alguns benefícios também poderão ser desvinculados do salário mínimo, diminuindo o valor da aposentadoria ao longo do tempo.

De acordo com o presidente ADUFEPE, Augusto Barreto, a PEC 287 torna as regras para aposentadoria difíceis de serem alcançadas. “O trabalhador vai morrer sem puder se aposentar e será obrigada a contratar planos privados de Previdência, caso tenham condições para isso. O nosso grande desafio é barrar esta reforma”, destacou.

Um comentário em “Assembleia Unificada contra a Reforma da Previdência

  • 19 de março de 2017 em 13:15
    Permalink

    Apresentada ao Congresso Nacional pelo Governo Temer, a medida estabelece idade mínima de 65 anos para homens e mulheres poderem se aposentar e ainda exige contribuição de 49 anos para que o trabalhador possa receber o valor integral do salário. Sobre isso, devem ser consideradas algumas conquistas dos trabalhadores e as prerrogativas dos direitos humanos – e seus aspectos distintos – previstos na Constituição Federal. A expectativa média de vida dos brasileiros parece estar próxima dos 65 a 70 anos. Assim, a exigência parece estar na contra-mão das expectativas sociais. Por outro lado, estatisticamente, a contribuição previdenciária parece vislumbrar um colapso em alguns anos devido à forma de gerenciamento econômico pela qual vem sendo efetivada. Ajustes de médio e longo prazos não estão sendo concretizados de forma mais adequada pelo Governo, excluindo a demanda social, e isso denota a necessidade de mudanças emergenciais – no Governo e na forma de manifestação dos trabalhadores.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *